Uma rápida pesquisa na internet vai te

mostrar que o tratamento que se

convencionou para tratar o burnout

é o psiquiátrico, além de psicoterapia.

 

Porém, na prática, isso não funciona.

Entenda melhor como o corpo funciona no burnout

com o Dr. Kater em vídeo do canal Salutis

Quem chega a um burnout está com o corpo

funcionando em modo de emergência:

o sistema autônomo está desequilibrado, 

os hormônios estão enlouquecidos,

as glândulas adrenais estão colapsadas

e o intestino está com uma disbiose tremenda.

Sem exceções.

Veja nos vídeos abaixo:

Aqui, o Dr Alain Dutra explica porque a medicina convencional não entende o burnout

Muito da ansiedade, da insônia e da fadiga

vem da condição do intestino,

mas a imensa maioria dos psiquiatras

está convicta de que antidepressivos

e ansiolíticos resolvem.

Veja o vídeo ao lado

E tanto não resolvem quanto o que ouvimos por aí

é que burnout não tem cura, que a gente aprende

a controlar... Mas tem cura, sim, se vc fizer

o tratamento correto e entender o processo.

Nesse vídeo, Dr Dayan Siebra fala sobre burnout e menciona como nem tudo que parece psiquiátrico, é

Então, o que se deve fazer?

O burnout precisa ser atacado em 2 ou 3 frentes, depende do caso.

Frente 1: Psicoterapia

A psicoterapia é fundamental em uma recuperação

de burnout, porque a gente precisa entender como 

gera tanto stress pro nosso corpo.

pexels-cottonbro-4101143.jpg

É muito fácil acreditar que as empresas são as únicas culpadas, que seu chefe abusivo é responsável pelo que aconteceu com você, mas quando falamos em burnout, não podemos falar em culpa. Porque burnout não é culpa de ninguém. Ou melhor, até é: é culpa dessa cultura em que vivemos e que vem se formando há muito, muito, muuuuuito tempo, desde a

Revolução Industrial ou algo do tipo.

 

É a cultura baseada na culpa e no medo, a cultura

de que você tem que chegar lá, a cultura de que

dormir é para os fracos e que faz a gente

se sentir inútil quando pára pra descansar meia horinha.

 

Quando falamos sobre burnout, precisamos,

isso, sim, falar sobre responsabilidades.

A empresa em que vc trabalha tem responsabilidade sobre o que aconteceu com você.

Seu chefe também.

O RH também.

Seus colegas, talvez também tenham.

Sua família pode ter.

Seu círculo social.

Aquele seu amigo que, quando você reclamou

que estava exausto, ele falou "e quem não está?

Deixa de ser fresco" também.

"E é isso que a gente precisa aprender na terapia: como a gente reage às críticas, às cobranças, às expectativas, aos julgamentos das pessoas etc e como podemos mudar isso de forma a ter mais saúde física e mental apesar das condições em que estamos vivendo - e como podemos mudar isso a nosso favor"

Só que tem uma coisa: você tem responsabilidade

sobre seu burnout também.

Vou te dar um exemplo: você estava naquela empresa

que te deixava infeliz, doente, ansioso, sem dormir.

Por que você não saiu?

Aí você diz: "porque olha a situação econômica".

E eu te pergunto: será que você não tem medo de sair desse lugar e ficar sem nada?

Será que você não tem uma crença de que

toda empresa é igual?

Será que no fundo você não acha que não é bom

o suficiente pra arrumar coisa melhor?

Ou será que você acha que coisas boas acontecem

pra quem tem sorte ou grana?

Entende?

pexels-alex-green-5699431.jpg
pexels-monstera-5384518.jpg

Não é sua culpa, te ensinaram tudo isso.

Você passou por traumas, abusos, situações ruins e pessoas tóxicas e, para se defender, foi criando

esse jeito de pensar

(e eu não tô te criticando, porque, veja: eu também!

E todo mundo que burnoutou).

E é isso que a gente precisa aprender na terapia:

como a gente reage às críticas, às cobranças,

às expectativas, aos julgamentos das pessoas etc

e como podemos mudar isso de forma a ter mais saúde física e mental apesar das condições em que estamos vivendo - e como podemos mudar isso a nosso favor.

 

É preciso entender sua força,

seu tamanho, seu potencial, seu merecimento e sua capacidade.

Frente 2: tratamento médico

O tratamento médico que funciona para

burnout é o da medicina integrativa.

Se você não sabe muito bem o que é isso,

veja os vídeos abaixo:

pexels-nataliya-vaitkevich-7526066.jpg

Esse é o médico que vai "consertar" o "estrago"

que o stress fez no seu corpo. Aquilo tudo que mencionei lá em cima e mais algumas coisas.

Cada caso é um caso.

Frente 3: tratamento psiquiátrico

Cerca de 48% das pessoas que chegam a um burnout têm depressão*. E em muuuitos casos,

o nível de ansiedade sobe tanto que

a pessoa pode chegar a desenvolver um transtorno. Nesses casos, é preciso ir a um psiquiatra.

 

É ele quem vai te acompanhar e tratar

da sua depressão e/ou do seu

transtorno de ansiedade.

* Fonte: ISMA-BR

pexels-rodnae-productions-7648256.jpg
pexels-alisha-mishra-1346347.jpg
pexels-rodnae-productions-6724383.jpg

Além disso, é preciso que

você tenha paciência

e ajude o processo.

 

Ajudar como? Melhorando sua alimentação, meditando, fazendo mindfulness, trabalhando sua fé,

sua gratidão, ou seja, treinando seu cérebro para focar

no que está dando certo, nas oportunidades,

nas crenças fortalecedoras, no momento presente.

Você pode pesquisar por sua conta, ler livros,

seguir pessoas que te inspirem confiança e que ensinem essas coisas ou você pode fazer isso e muito mais,

como trabalhar seus chakras

e sua parte energética, com um

terapeuta integrativo

Mas, veja: médico integrativo é diferente

de terapeuta integrativo e diferente

de práticas integrativas.

 

O médico vai examinar, avaliar, suplementar, reequilibrar. O terapeuta faz um trabalho complementar tanto ao tratamento médico quanto

ao tratamento psicológico, sem substituir nenhum deles. E as práticas integrativas são o que os terapeutas podem lançar mão para te ajudar

(por exemplo: reiki, florais, radiestesia,

fitoenergética etc), além de exercícios que

fazem bem para o corpo e para a alma,

como yoga, tai-chi, liam gong etc)

pexels-anete-lusina-5240697.jpg

A recuperação de um burnout

é uma reinvenção pessoal.

 

É como se a vida estivesse falando pra você:

"olha, desse jeito não vai dar,

vamos ter que mudar isso aqui".

 

Então se abra para novas coisas, mude seu

estilo de vida, invista no auto-conhecimento.

 

NADA é mais importante

do que a sua saúde emocional.

pexels-polina-tankilevitch-8539045.jpg
pexels-daniel-torobekov-5694121.jpg